Notícias Fecomercio

13 de agosto de 2018

Brasileiro imagina erroneamente que País é aberto


Em encontro promovido por UM BRASIL, FecomercioSP e Ibmec, especialistas defendem a multiplicidade da agenda brasileira no cenário internacional

“O brasileiro imagina que o Brasil é um país aberto para o mundo, mas, definitivamente, não é.” A afirmação é do doutor em Direito Internacional e pós-doutor em Direito Natural, George Niaradi. “A China, embora tenha um regime político bem característico, está aberta ao mundo. Ela vai a outros países, investe, adquire empresas. Enfim, cria um sistema produtivo local naquele outro país em benefício próprio”, contrapõe, durante debate com o mestre em Relações Internacionais e professor de cursos de MBA do Ibmec Tanguy Baghdadi.

Durante encontro promovido pelo UM BRASIL em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e o Ibmec, os dois especialistas avaliam que um dos principiais desafios para o Brasil nas relações internacionais é a inserção nacional nos tempos atuais com uma agenda ampla que permita articular sobre assuntos diversos e concretizar novas parcerias.

“O ideal é que o Brasil consiga falar sobre diversos assuntos, como comércio, integração regional, reforma das organizações interacionais, meio ambiente e direitos humanos, além de conseguir se articular com países emergentes, como os do Brics [bloco que une Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], e que isso não impeça, de forma nenhuma, o Brasil de se aproximar de países centrais, como Estados Unidos e Europa”, afirma George Niaradi.

No debate, mediado pelo jornalista Jaime Spitzcovsky, Tanguy Baghdadi complementa: “O Brasil deveria investir em uma relação bilateral com cada um desses países e ter laços institucionais, porque poderíamos nos beneficiar de fundos criados com recursos chineses e indianos, por exemplo”. Assista à entrevista completa aqui.

 

Voltar para Notícias